quinta-feira, 31 de agosto de 2017

O NOVO PROJECTO PARA A MYSTIC CRUISES

A subconcessionária dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), WestSea, está a reforçar a equipa com objetivo específico de construir o primeiro navio oceânico, de 70 milhões de euros, para a Mystic Cruises, do empresário português Mário Ferreira.

Fonte da WestSea, que deu a notícia à agência Lusa, escusou-se especificar o número de pessoas a contratar para o "pico" de trabalho daquele contrato, revelando apenas que "está a decorrer o período de recrutamento".
Segundo dados avançados em maio pela WestSea, a subconcessionária dos ENVC conta com cerca de 264 trabalhadores, dos quais 155 são antigos funcionários dos ENVC.
Além disso, de acordo com aqueles dados, trabalham nos estaleiros da WestSea, "em média, por dia, 335 trabalhadores indiretos (ao serviço de subempreiteiros)".
O empresário Mário Ferreira, da Mystic Cruises, citado pela agência Lusa, explica que o paquete World Explorer, o primeiro de três que a empresa quer construir, vai fazer a viagem inaugural em novembro de 2018 com um cruzeiro de 17 dias entre Lisboa e o Rio de Janeiro (Brasil)".

"A viagem inaugural começa em Lisboa, passa pelo Funchal (Madeira), Santa Cruz, em Tenerife, São Vicente, em Cabo Verde, atravessa a linha do Equador e chega à ilha brasileira de Fernando de Noronha, passa por Natal, Recife, Salvador, Baía, Búzios e termina no Rio de Janeiro", explica o empresário, que também detém a empresa Douro Azul.
Após aquela viagem, a embarcação, "com capacidade para 200 passageiros e 111 tripulantes, que vão ser recrutados em Portugal e no estrangeiro, vai fazer expedições na Antártida, até 15 de abril de 2019, ao serviço do operador norte-americano Quark Expeditions".
"Com esse operador vai fazer dois cruzeiros no Mediterrâneo, dois no Báltico, em Fiordes, na Noruega e no círculo polar Ártico com uma viagem ao Sol da meia-noite, e na Islândia e Gronelândia", adianta o empresário.
Mário Ferreira revela também que "está a negociar com países estrangeiros o financiamento para a construção de mais três navios oceânicos".
"O World Explorer não teve qualquer ajuda ao financiamento o que faz com que tenha de procurar no mercado internacional um modelo de financiamento para os outros três. É um processo que está a correr muito bem", diz.
O empresário explica ainda que o navio que está em construção nos estaleiros da WestSea, em Viana do Castelo "tem motores e tecnologia Rolls Royce" e representa "um investimento superior a 70 milhões de euros", estimando o retorno financeiro "no médio/longo prazo, entre os oito a dez anos".
"Mesmo sem qualquer apoio o navio vai ser registado em Portugal. Será um paquete com bandeira portuguesa", diz, acrescentando que nos estaleiros da subconcessionária dos ENVC "está bastante adiantada a construção do décimo sétimo navio de cruzeiros da Douro Azul que será entregue em abril de 2018, para operar no rio Douro".

Noticia retirada do Jornal Económico de 31/08/2017



terça-feira, 22 de agosto de 2017

O EX-ATLÂNTIDA, O TAL QUE NÃO PRESTAVA...

Le nouveau navire d’expédition de Mystic Cruise construit au Portugal

quarta-feira, 12 de julho de 2017

BUCKNALL, A BRITISH & COLONIAL LINE

Gosto muito deste tipo de postais de navios. Este tem a particularidade de ter circulado em 1911, ter sido carimbado no Funchal e ter uma imagem muito bonita do navio e paisagem bem como a bandeira da companhia marítima. Um pouco de história na sua mensagem, caligrafia apurada e no tempo!    

terça-feira, 27 de junho de 2017

SEM FIM À VISTA - FUNCHAL E PORTO

Les deux derniers navires de Portuscale toujours désarmés à Lisbonne



C’est un peu le quai de l’oubli, à Lisbonne, où les deux derniers navires de l’éphémère compagnie portugaise Portuscale Cruises sont toujours à quai. Désarmés, le Funchal et le Porto attendent d’être fixés sur leur sort. Ces deux vieux navires, comme les ex-Princes Danae (qui avait été renommé Lisboa) et Athena (devenu Azores) avaient été rachetés suite à la faillite de Classic International Cruises par l’homme d’affaires Rui Alegre, qui avait lancé en 2013 Portuscale Cruises.


Noticia retirada do site Mer et Maritime de 27/06/2017

segunda-feira, 26 de junho de 2017

UM PRÍNCIPE NA BAÍA DO FUNCHAL

Fotografia "Perestrellos" sempre atentos a captar através das objectivas tudo o que passasse pela Madeira, desde navegação maritima,  aérea etc..
No caso o "Principe Perfeito" da Companhia Nacional de Navegação, ancorado na Baía do Funchal, nos anos 60' do século passado.

terça-feira, 6 de junho de 2017

WOERMANN LINIE

A empresa Woermann Line operando desde 1890, com serviço de passageiros e carga, entre a Alemanha e a Africa Ocidental e Oriental, foi uma das que no início do Século XX utilizou o Porto do Funchal nas suas inúmeras escalas. E não foram poucos os navios que utilizaram os serviços madeirenses, basta dizer que a referida empresa tinha uma frota de mais de cem navios, embora como é óbvio nem todos utilizassem a rota da Madeira.

O MOVIMENTO NO PORTO DO FUNCHAL ANTES DA GUERRA


O movimento no Porto do Funchal, no último ano antes do início do conflito bélico da Iª. Grande Guerra, foi fértil no aumento de passageiros e de escalas de navios a vapor e/ou à vela.  Um dos "colossos"da época é o paquete alemão CINCINATTI - Hamburg Amerika Linie que com as suas 16.339 T. escalou a capital madeirense. Os navios Moltke, Konig Albert, Blucher e Prinzess Irene, com mais de 10.000 Toneladas, foram também referências, para o período entre o dia 1 de Junho de 1913 e 31 de Maio de 1914.
De salientar que nesse período de tempo, o número de passageiros desembarcados de navios alemães no mesmo porto, teve um total de 1755.
Os vasos de guerra alemães nesse mesmo espaço de tempo, tiveram as seguintes referências:
dia 17/7/1913 - EBER
dia 15/8/1913 - MAGDEBURG
dia 2/9/1913 - HANSA
20/9/1913 - BREMEN
17/10/1913 - PRINZESCHEITH FREDERIK
2/1/1914 - DRESDEN
22/4/1914 - PANTHER